12h29 - quinta, 23/05/2019

O nosso património


Fernando Almeida
O termo "património" provém do latim, de patrimon um, e refere-se ao conjunto de bens que pertencem a uma pessoa, instituição, região, ou mesmo a toda a humanidade. Assim, quando se fala de património tanto se pode estar a falar dos bens de uma pessoa singular, como das características culturais de uma comunidade. Pode também falar-se de diversos tipos de património, no que toca às suas características: pode falar-se de património natural, cultural, edificado, musical, etc., etc....
Como é sabido há hoje uma preocupação cada vez maior com a defesa do património no geral, e com proteção do património natural em particular. Por isso se desenvolveu legislação a nível mundial (acordos sobre alterações climáticas, oceanos, etc.) a nível europeu (variadas diretivas ambientais, Rede Natura 2000, etc.) e nacional (toda a legislação de ordenamento do território e proteção dos recursos naturais), que visa a proteção do ambiente em que vivemos.
Para além de todas as políticas e atividades de proteção da natureza que existem para a generalidade do país, existem ainda espaços com um estatuto especial onde esse cuidado deve ser ainda mais significativo: são as "áreas protegidas". As nossas áreas protegidas são espaços diferenciados que desempenham um papel muito importante no processo mais geral de proteção da natureza. Podem ser de vários tipos e desempenham também funções diferentes. Contudo não se deve pensar que a proteção destes pedaços do nosso território dispensa os cuidados que temos que ter com cada palmo do nosso país…
A nível nacional e mundial, cada vez mais a qualidade do ambiente é valorizada. Se é verdade que o crescimento da economia vai continuando a marcar a agenda da política e da comunicação social, não é menos verdade que a proteção do ambiente, a qualidade de vida das pessoas e temas como as alterações climáticas, a perda de biodiversidade, os plásticos, ou os oceanos, vão tendo espaço crescente nas preocupações das sociedades modernas. E a busca de um ambiente saudável e equilibrado começa também a pesar nas escolhas que os europeus fazem. A esse respeito basta ver a quantidade de pessoas que têm vindo residir em Portugal em busca de um ambiente melhor, e também dos turistas que nos visitam em boa parte para poder usufruir e conhecer essa mesma realidade.
Também a qualidade do ambiente de uma região ou país, ou pelo menos a imagem que ela tem aos olhos dos estrangeiros, valoriza outros produtos de exportação: se uma região é vista como poluída e ambientalmente degradada, os seus produtos (particularmente os que vêm da agricultura) são desvalorizados. O oposto acontece com as áreas que têm um bom ambiente e uma imagem de pureza ambiental. Em parte o sucesso recente da nossa agricultura nos mercados internacionais prende-se com esta realidade.
Muito mais importante que a forma como os outros nos vêm, o que pensam de nós, ou como valorizam os nossos produtos, é a qualidade de vida que um bom ambiente nos proporciona. Um ambiente degradado, com atmosfera poluída, com águas contaminadas, com desequilíbrios na vida selvagem, não gera saúde e bem-estar nos residentes, criando pelo contrário doenças e distúrbios físicos e psicológicos de vária ordem, e isso é suficiente para que tenhamos a obrigação de cuidar da natureza como a nossa casa que realmente é. É por isso bom que haja o cuidado de compatibilizar o desenvolvimento das atividades económicas em geral e da agricultura em particular, que queremos bem-sucedida e próspera, com a qualidade do ambiente, que queremos que se não degrade.
Talvez seja por se ter cada vez mais consciência da necessidade de criar riqueza mas não descurar a proteção da natureza, que hoje é a própria sociedade civil que vai tomando em mãos a responsabilidade de proteger a Terra em que vivemos, e sucedem-se a ações de limpeza de praias, de plantação de árvores, etc.. Afinal os graves problemas de ambiente que temos que enfrentar não se resolvem sem a colaboração de todos, e por isso todas as ajudas contam.
Nesta nova e imprescindível mudança de comportamento face à degradação do ambiente encontram-se também atitudes mais inteligentes, em que o litígio e a competição vão dando lugar à cooperação e entendimento. A tarefa de recuperar o que se tem vindo a estragar no planeta é colossal e ao lado de instituições públicas e dos cidadãos individuais, podemos ver associações e empresas. Afinal, mesmo assim, todos juntos, não seremos demais.
Há uma última, mas não menor chamada de atenção que se deve fazer sobre esta matéria: a natureza, a Terra em que vivemos, foi-nos deixada pelos nossos avós para que aqui possamos viver com qualidade, ser felizes, e eventualmente ter os nossos próprios filhos e netos. Por isso, de algum modo podemos ver a nossa Terra como um espaço que herdamos, que nos pertence por direito, e com o qual podemos fazer o que bem nos apetecer. Penso que pelo contrário a terra que pisamos, a região ou o país em que habitamos, ou mesmo a Terra em que vivemos, deve ser sobretudo vista como algo que nos foi emprestado pelos nossos netos, algo que não é nosso, mas que apenas podemos usar sem destruir, garantindo sempre a sua sustentabilidade e que temos a obrigação de a deixar aos nossos descendentes pelo menos em tão bom estado como a recebemos dos nossos antepassados. Será que estamos a conseguir isso?

O autor utiliza o
Novo Acordo Ortográfico



Outros artigos de Fernando Almeida

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - terça, 25/06/2019
Speed Talent:
um projecto para
jovens empreendedores
O projecto Speed Talent-Acelerador de Talentos já arrancou por todo o Alentejo e também na região do Ribatejo.
07h00 - terça, 25/06/2019
Governo defende importância
dos portinhos de pesca
O secretário de Estado das Pescas defende a importância dos portinhos de pesca artesanal num momento em que se fala tanto da "economia do mar" e de grandes projectos ligados ao sector.
07h00 - terça, 25/06/2019
Bloquistas do
Alentejo Litoral
reuniram em Santiago
A agricultura intensiva, o transporte ferroviário e os direitos laborais foram algumas das questões em debate no primeiro Encontro do Alentejo Litoral do Bloco de Esquerda (BE), que se realizou no passado sábado, 22, em Santiago do Cacém.
07h00 - segunda, 24/06/2019
"Transporte a Pedido"
no concelho de Odemira
Melhorar as condições de mobilidade no concelho de Odemira, sobretudo nas freguesias do interior, é a grande meta do "Transporte a Pedido", projecto que a Câmara de Odemira conta lançar no segundo semestre deste ano.
07h00 - segunda, 24/06/2019
Acordo ambiental para
a lagoa de Melides
Um total de 14 entidades públicas e privadas subscreveram na passada semana o Acordo Ambiental para a Zona Húmida da Lagoa de Melides (Grândola), desenvolvido no âmbito do projecto europeu "WetNet".

Data: 21/06/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial