15h30 - quinta, 01/08/2019

A sexualidade após um enfarte agudo do miocárdio


Cláudia Silva
As doenças cardiovasculares, como o enfarte agudo do miocárdio (EAM) são a principal causa de morte nos países industrializados, bem como a causa de elevadas taxas de morbilidade. A vivência de uma situação de doença implica vários processos de transição que influencia, entre outros, a sexualidade da pessoa. As pessoas sexualmente ativas antes de um episódio de EAM tendem a apresentar redução do desejo e diminuição na frequência da atividade sexual. O principal fator que motiva esta alteração é o medo de que o esforço inerente possa desencadear um novo episódio cardíaco.
Durante a realização das atividades de vida diária ocorre um aumento da frequência cardíaca, da pressão arterial, o que representa o aumento do consumo de oxigénio. Com base neste pressuposto criou-se a crença de que a diminuição/eliminação da atividade sexual poderia constituir uma medida necessária pelo menor risco de novo evento cardíaco. Em consequência, a comparação entre as atuais capacidades e as anteriores ao evento cardíaco, pode contribuir para alterações a nível psicológico e emocional da pessoa e do casal. A falta de informação reforça a propagação de crenças como esta, com impacto negativo na qualidade dos mesmos.
Neste sentido, a intervenção de profissionais de saúde especializados é determinante para a redução do impacto da vivência de um EAM, como seja através da transmissão de informação, aconselhamento e gestão da atividade sexual, incluindo informação de quando e como recomeçar a atividade sexual.
Segundo a American Heart Association, a atividade sexual com coito pode ser retomada uma semana após um episódio de EAM não complicado, sendo que a realização de uma prova de esforço pode fornecer recomendações mais personalizadas. O esforço despendido em cada atividade é avaliado pelo consumo de energia, numa escala de 3 a 15 METs (equivalentes metabólicos).
A atividade sexual é geralmente de intensidade leve a moderada, sendo que a intensidade do esforço físico oscila entre 2 e 3 METs na fase pré-orgástica, atingindo um máximo de 5 a 6 METs na fase orgástica. Ora, este consumo energético é comparável, por exemplo, a caminhar em ritmo moderado numa superfície plana ou subir dois lances de escada de seguida (em cerca de 10 a 15 segundos).
Deste modo, se no decorrer da prova de esforço a pessoa concluir o patamar correspondente ao consumo de energia de 5 METs, sem sintomas cardiovasculares, poderá estar recomendada o reinício da atividade sexual (ainda que com algumas orientações quanto ao modo). Caso a pessoa tolere um esforço equivalente a 7 METs o reinício da atividade sexual pode mesmo estar indicada sem restrições especiais.
Assim, a vivência de um evento isquémico não é sinónimo de anulação da atividade sexual. Envolva-se na sua saúde e procure aconselhamento de profissionais especializados!

A autora utiliza o novo
Acordo Ortográfico



COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - terça, 14/07/2020
Mudanças nas paróquias
do Litoral Alentejano
O bispo de Beja, D.
07h00 - terça, 14/07/2020
Nova campanha da
Turismo do Alentejo
"Há um lugar" é o mote da nova campanha de marketing lançada pela Turismo do Alentejo e Ribatejo, que visa divulgar a região como região ideal para gozar férias tranquilas, "longe das multidões".
07h00 - terça, 14/07/2020
CM Grândola requalifica
Casa Frayões Metello
A Câmara de Grândola iniciou esta semana as obras de requalificação da Casa Frayões Metello, avaliadas em cerca de 830 mil euros (mais IVA), onde será instalado o futuro Núcleo Museológico de Etnografia do Município.
07h00 - segunda, 13/07/2020
Diplomatas da Índia
visitaram Sines
O primeiro secretário da Embaixada da Índia em Portugal, Amararam Gujar, e o terceiro secretário, Preetham Shivamurthy, vistaram na passada semana a cidade de Sines, tendo sido recebidos pelo presidente da autarquia local, Nuno Mascarenhas.
07h00 - segunda, 13/07/2020
Amianto retirado
do Mercado do Torrão
A Câmara de Alcácer do Sal vai avançar com a substituição da cobertura do Mercado do Torrão, retirando do local o fibrocimento pré-existente, que contém a substância amianto.

Data: 03/07/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial