14h53 - quinta, 12/03/2020

Coronavírus COVID-19: o que se sabe?


Cláudia Silva
Em dezembro de 2019 teve-se conhecimento de um conjunto de casos de pneumonia na China. A investigação concluiu que foi causado por um vírus não conhecido até então, agora designado por Coronavírus de 2019 ou COVID-19. Os coronavírus representam um grande grupo de vírus, cuja aparência se assemelha a uma coroa, justificando a escolha do nome. Existem vários coronavírus que podem causar sintomas respiratórios, tal como dificuldade respiratória, tosse ou febre, embora tendam a ser situações facilmente tratadas e sem implicação de maior para a pessoa. Sabe-se, contudo, que alguns desses vírus tem a capacidade de causar doença mais severa, tal como o SARS-cov descoberto na China em 2003, o MERS-cov na Arábia Saudita em 2012 e, mais recentemente, o referido COVID-19.
Sabe-se que os primeiros casos surgiram na província de Wuhan, na China, num grupo de pessoas relacionadas com o mercado de animais. A doença espalhou-se primeiro pelas pessoas próximas, tais como familiares e profissionais de saúde. Contudo, rapidamente se espalhou por todo país. Presentemente já existem casos confirmados de doença em vários países de vários continentes.

Mas de onde surgiu o COVID-19?
Sabe-se que os coronovírus existem num círculo de animais, contudo, por vezes podem ser transmitidos aos humanos.

Como se transmite?
A transmissão entre pessoas pode ocorrer de duas formas:
– contato direto com pessoas infetadas pelo vírus: as gotículas libertadas pelo nariz ou boca quando tossimos ou espirramos podem atingir diretamente a boca, nariz e olhos de quem estiver próximo,
– contato com superfícies e objetos contaminados: as gotículas podem depositar-se nos objetos ou superfícies que rodeiam a pessoa infetada; se as outras pessoas tocarem nesses objetos ou superfícies e depois tocarem nos olhos, nariz ou boca com as mãos.
O período de incubação pode ir até 14 dias, pelo que os sintomas podem surgir após esse período de contato com a pessoa infetada.

Quais são os principais sintomas?
Os principais sintomas são febre, tosse e dificuldade respiratória; são semelhantes a uma gripe e podem evoluir para uma doença mais grave, como pneumonia.

Quais são as orientações gerais da Direção Geral de Saúde (DGS) para minimizar a propagação da doença?
– Quando espirrar ou tossir, tapar o nariz e a boca com o antebraço ou com lenço de papel.
– Lavar frequentemente as mãos, com água e sabão ou usar solução à base de álcool.
– Se regressou de uma área afetada, evite contacto próximo com outras pessoas.
– Se apresentar algum dos sintomas e tiver estado em alguma das zonas afetadas ou em contato com uma pessoa infetada, ligue para a linha SNS24 (808 24 24 24) e siga as orientações.
É importante que se mantenha informado através das fontes oficiais, sendo a entidade responsável em Portugal a DGS (https://www.dgs.pt/corona-virus/). Evite a propagação de falsas informações que poderão inclusivamente ter um efeito contraproducente!

A autora utiliza o novo
Acordo Ortográfico



COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - sexta, 27/03/2020
Sines cancela festival
"Músicas do Mundo"
A Câmara de Sines decidiu cancelar a edição de 2020 do Festival Músicas do Mundo (FMM), por entender que no contexto da pandemia de Covid-19 poderão não estar reunidas "as condições sanitárias e logísticas necessárias" para a realização do evento na data prevista.
07h00 - sexta, 27/03/2020
Misericórdia de Sines
com medidas preventivas
A Misericórdia de Sines (SCMS) já implementou um conjunto de acções minimizadoras do impacto da pandemia Covid-19, no sentido de salvaguardar "o apoio e a segurança" dos mais de 200 utentes do seu lar e dos mais de 100 idosos a quem presta apoio domiciliário diário.
07h00 - sexta, 27/03/2020
Hospital do Litoral
Alentejano sem visitas
A Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA) implementa nesta sexta-feira, 27 de Março, um novo regime de visitas aos doentes internados no Hospital do Litoral Alentejano, em Santiago do Cacém, em virtude da pandemia de Covid-19.
07h00 - sexta, 27/03/2020
Tranquilidade nos
lares do concelho
de Odemira
Os idosos são o principal grupo de risco face à pandemia da Covid-19, que nas últimas duas semanas virou o país do "avesso".
07h00 - sexta, 27/03/2020
Presidente da AHSA diz que
"agricultura não pode parar"
Em entrevista ao "SW", o presidente da AHSA-Associação do Horticultores, Fruticultores e Floricultores dos Concelhos de Odemira e de Aljezur reconhece que pandemia da Covid-19 que afecta actualmente Portugal (e todo o mundo) está a ter forte impacto "no planeamento produtivo" das empresas associadas.

Data: 27/03/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial