07h00 - sexta, 01/10/2021

Hélder Guerreiro: "População de
Odemira continua a confiar no PS"

Hélder Guerreiro: "População de Odemira continua a confiar no PS"

O novo presidente eleito da Câmara de Odemira faz o balanço das eleições autárquicas no concelho e aponta aquelas que serão as suas prioridades mais imediatas assim que tomar posse.
"Queremos trabalhar o processo de construção de uma comunidade, de uma cidadania e de um território mais crítico, com pessoas mais interventivas, com mais capacidade de escolha e de atitude crítica face à governação", anuncia Hélder Guerreiro em entrevista ao "SW".

O PS venceu as eleições autárquicas em Odemira e você irá liderar a Câmara Municipal nos próximos quatro anos. Já o começaram a tratar por "senhor presidente"?
Sim, é verdade, já começaram a tratar-me por "senhor presidente"… [risos] É simpatia das pessoas.

Como olha para os resultados alcançados pela sua candidatura nestas eleições?
De uma maneira simplista, diria que o contexto destas eleições era manifestamente diferente do das últimas que tivemos em Odemira. Vínhamos de um contexto em que Odemira esteve na "berlinda", com várias questões bastante relevantes que colocaram o concelho – e não por boas razões – no centro do debate político em Portugal. Até já atribuíam o nome de Odemira a um conjunto de coisas que aconteciam noutros territórios, o que foi uma coisa terrível. Mas isso são águas passadas e acho que os odemirenses quiseram também deitar um pouco isso para trás das costas e continuar a confiar no PS para aquilo que pode ser o futuro do concelho de Odemira. É isso que eu sinto! Sinto que as pessoas quiseram voltar a mostrar confiança no PS para continuar a gerir os destinos do concelho. É um voto de confiança no PS.

Sente que este foi um sentido de voto que demonstra também que o projeto do PS está longe de estar esgotado ao fim de 24 anos de governação em Odemira, como apontava a oposição?
Isso é uma das coisas que mais gostei de sentir em todo este processo eleitoral. Para conquistar eleitorado, as oposições centraram-se muito na ideia que um projeto de 24 anos de governação no concelho não tinha trazido nada de bom ao território e que estaria esgotado. E na verdade, esta vitória [do PS] sublinha bem que os 24 anos de governação do António Camilo, primeiro, e depois do José Alberto Guerreiro trouxeram coisas que os odemirenses valorizam e que sentem que é este o caminho que querem continuar a percorrer. Foi um sublinhado dos odemirenses que eu muito apreciei e é uma responsabilidade muito grande para quem, como eu, foi agora eleito presidente da Câmara. [Os odemirenses] confiaram que estes 24 anos representam bem aquilo que é o caminho que querem e agora a minha responsabilidade é dar continuidade ao trabalho de construção e afirmação de um concelho que quer que todos gostem de cá viver, de cá trabalhar ou visitar.

Ainda que haja uma linha de continuidade, cada presidente tem o seu estilo próprio, o seu "cunho pessoal". O que vai mudar com o Hélder Guerreiro na presidência da Câmara de Odemira?
Não sei se a palavra certa é "mudar", diria mais que é "evoluir", sem prejuízo para o que está anterior. Com base naquilo que me é entregue, quero agora não fazer diferente mas sim dar enfoque a algumas questões que me parecem importantes.

Quais?
Por um lado, a questão da cidadania. Queremos trabalhar o processo de construção de uma comunidade, de uma cidadania e de um território mais crítico, com pessoas mais interventivas, com mais capacidade de escolha e de atitude crítica face à governação. E nesse sentido, quero incrementar bastante os modelos participativos, passar do governo à governança de uma forma muito objetiva. Uma segunda nota que considero bastante importante é termos um trabalho de política de proximidade com o território, com as pessoas e com aquilo que acontece em cada uma das aldeias e ruas do nosso concelho. Essa tem de ser uma das tarefas dos eleitos locais, de maneira a que os odemirenses possam chegar facilmente a quem os governa e com eles estabelecer uma relação de proximidade, segurança e representatividade. Uma terceira nota vai para aquilo que são os grandes desafios do território, nomeadamente a questão ligada à água. A água será, sem dúvida, um dos principais temas dos próximos quatro anos e nós queremos garantir futuro para o território tendo mais reservas de água para o futuro, sem que isso determine que se perca de alguma forma a capacidade do território continuar a gerar riqueza. O que se quer é, com base numa discussão sobre o bem comum que é a água, todos os sectores de atividade e sociais possam subsistir e progredir no concelho de Odemira, garantindo que a água é um bem comum que continuará a servir a todos. Portanto, a água será um dos temas fundamentais à governação no próximo mandato! E como quarta nota final surge a questão dos serviços municipais, em que queremos melhorar a eficiência dos serviços, termos uma resposta muito mais efetiva e muito mais rápida a tudo o que são solicitações. E termos um trabalho mais integrado entre os diferentes sectores [do município], de maneira a que as respostas sejam integradas.

Já tem ideia da primeira decisão que vai tomar quando entrar em funções?
No plano interno, olhar para a estrutura funcional do Município e adaptá-la àquilo que são os objetivos e as políticas públicas que queremos implementar nos próximos quatro anos. Hoje em dia o modelo de organização interna dos municípios é relativamente flexível e ágil e aquilo que vamos fazer desde logo é adaptar esta estrutura àquilo que são as necessidades de resposta às políticas que queremos implementar no território. E a segunda coisa – externa, digamos assim – é constituir o Fórum do Território e começar, desde já, a trabalhar na discussão entre os diferentes atores para a sustentabilidade do uso da água como um elemento fundamental no futuro da vida no nosso concelho.


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - quinta, 28/10/2021
Câmara e comunidade
apoiam Fluvial Odemirense
A Câmara de Odemira está a avaliar "a dimensão do apoio financeiro a atribuir" ao Clube Fluvial Odemirense (CFO), cujas instalações foram destruídas por um incêndio, que teve causa humana, na madrugada de 9 de outubro.
07h00 - terça, 26/10/2021
Câmara de Odemira vai
continuar a apoiar os bombeiros
O presidente da Câmara de Odemira afirmou que a autarquia mantém disponibilidade para continuar a apoiar os Bombeiros Voluntários locais e encontrar soluções para a melhoria das condições de trabalho da corporação.
07h00 - segunda, 25/10/2021
Odemira promove
aulas de viola campaniça
O Centro de Valorização da Viola Campaniça e do Cante de Improviso, com sede em São Martinho das Amoreiras, no concelho de Odemira, iniciou neste ano letivo um novo ciclo de ensino, "regular e gratuito", sobre a arte e tradição da viola campaniça, com aulas em sete localidades.
07h00 - domingo, 24/10/2021
Espetáculo "UNLOOP"
apresentado em São Luís
O projeto artístico interdisciplinar "UNLOOP", de David Negrão e Sara Montalvão, criado em contexto de residência artística no Alentejo, é apresentado em estreia neste domingo, 24, no Espaço Cultivamos Cultura, em São Luís.
07h00 - sexta, 22/10/2021
Performance de malabarismo
poético chega a Odemira
A zona ribeirinha de Odemira recebe neste sábado, 23, pelas 16h00, a performance de malabarismo poético "A Grande Errância", promovida no âmbito do projeto "Lavrar o Mira e a Lagoa – As Artes Além Tejo".

Data: 15/10/2021
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial