16h35 - quinta, 06/05/2021

Um problema muito sério


Carlos Pinto
Recuando no tempo cerca de uma década, quando o projeto do Alqueva estava a consolidar-se, começaram a surgir nos terrenos beneficiados pela água do "grande lago" alentejano extensas plantações de olival. Na altura, a produção de azeite em Portugal ainda era deficitária face às necessidades do país e esta era uma cultura considerada prioritária por todos, apelidada mesmo de "ouro alentejano".
Foi assim que em hectares outrora de cereais começaram a ser plantadas oliveiras em regime intensivo e super-intensivo, fruto de avultados investimentos realizados, sobretudo, por empresários espanhóis. Mas para que a azeitona fosse colhida era preciso muita mão-de-obra… muita mesmo!
Aos poucos, e à falta de trabalhadores portugueses, começaram a surgir em Serpa, em Baleizão, em Cabeça Gorda ou em Ferreira do Alentejo vastas comunidades de migrantes, que chegavam a Portugal na época das colheitas, a partir de Setembro/Outubro. Provinham, acima de tudo, dos países de leste, nomeadamente da Roménia e da Bulgária, e de início eram apenas umas dezenas durante alguns meses. Mas rapidamente passaram a vir às centenas, famílias inteiras com filhos incluídos, ficando nas aldeias e vilas da região durante todo o ano. Os problemas sociais foram inevitáveis…
Casas de três quartos a abarrotar de "inquilinos" e barracões agrícolas transformados em verdadeiras "casernas", crianças a vaguear pelas ruas sem ir à escola ou migrantes sem qualquer documentação e poucos recursos económicos passaram a ser cenários habituais e motivo de muitas notícias.
Aos poucos, as autoridades policiais (e não só) entraram em "cena", identificando muitas destas situações e, em alguns casos, desmantelando verdadeiras redes "mafiosas", que eram as principais responsáveis pela chegada desses trabalhadores a Portugal e faziam de intermediárias junto das explorações agrícolas.
Avançando no tempo, e chegando ao momento atual que se vive no concelho de Odemira, parece que este "filme" se está a repetir, só mudando a proveniência dos trabalhadores.
Neste caso, e dada a experiência do país em momentos anteriores, a responsabilidade só pode ser assacada a duas partes. Desde logo, ao Estado – e ao Governo –, que foi fechando os olhos a esta situação, sem acautelar aquilo que era necessário. E as empresas também não saem nada bem na fotografia, pois muitas delas sabem bem como chegam estas pessoas a Portugal e em que condições vivem fora das suas estufas, sem que isso constitua uma preocupação sua.
Agora a "bomba" rebentou, restando a todos correr atrás do prejuízo… Esperemos que ainda seja a tempo de se encontrar uma solução com "conta, peso e medida".



Outros artigos de Carlos Pinto

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - sexta, 18/06/2021
Odemira promove
cidadania ambiental
Alertar as comunidades "para o problema dos resíduos", para que os cidadãos "se tornem agentes de mudança", é o grande objetivo do projeto "A Rua é Tua! Tu decides!", promovido pela Câmara de Odemira em parceria com as juntas de freguesia e a associação Zero.
07h00 - sexta, 18/06/2021
Odemira e Aljezur contestam corte de água de Santa Clara a pequenos consumidores
As câmaras de Odemira e de Aljezur vieram a público contestar o corte do fornecimento de água a partir da barragem de Santa Clara aos pequenos consumidores, considerando que esta decisão coloca negócios, pequenas hortas e a criação de animais "em risco".
07h00 - sexta, 18/06/2021
CPCJ de Grândola
com novas instalações
A Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) de Grândola e o Gabinete de Psicologia vão ficar instalados, a partir de 25 de junho, na antiga Casa dos Magistrados, junto ao tribunal da "vila morena".
07h00 - sexta, 18/06/2021
Porto de Sines debate
sustentabilidade e inovação
A Administração dos Portos de Sines e do Algarve (APS) promove nesta sexta-feira, 18, o evento "Imagine Sines: Sustentabilidade e inovação conectando o futuro", que decorre no âmbito das comemorações do Dia do Porto de Sines.
07h00 - quinta, 17/06/2021
Visitas às obras dos lares
de S. Teotónio e S. Martinho
Uma comitiva liderada pela presidente da Câmara de Odemira, José Alberto Guerreiro, visitou, na passada semana, as obras de ampliação e remodelação dos lares de idosos de São Teotónio e de São Martinho das Amoreiras.

Data: 18/06/2021
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial