16h33 - quinta, 25/11/2021

Sem alarmismo... e sem facilitismo!


Carlos Pinto
No dia de fecho desta edição do "SW", a 24 de novembro, o boletim diário relativo à Covid-19 em Portugal, divulgado pela Direção Geral da Saúde (DGS), dava conta de mais 17 mortes, 3.773 infetados e 1.494 recuperados nas últimas 24 horas. Tratava-se do número mais alto de novos casos em quase quatro meses, a que se juntavam mais 681 pessoas internadas em ambulatório e 105 em cuidados intensivos.
O relatório da DGS adiantava ainda que, no que tocava à matriz de risco, o índice de transmissibilidade – ou R(t) – tinha aumentado para 1,20 na globalidade do território nacional, tendo a incidência da Covid-19 aumentado para 251,1 casos por cada 100 mil habitantes em Portugal.
Estes números estão muito longe de poderem ser comparados aos que tivemos nos meses de dezembro de 2020 ou de janeiro e fevereiro deste ano. Mas ainda assim devem constituir um sinal de alerta e de reflexão para todos nós.
É por demais evidente que a alta taxa de vacinação alcançada por Portugal tem conseguido colocar o país numa situação mais "confortável" na luta contra a Covid-19 que outras nações. Mas também é óbvio que a pandemia não acabou, como o comprova a situação que se vive noutros pontos da Europa, onde as vacinas estão muito mais atrasadas, inclusive na abastada Alemanha.
Por isso mesmo, o momento atual exige uma resposta rápida e assertiva por parte das entidades de saúde (ainda que evitando o "ritual do medo" que muita comunicação social adora), assim como uma atitude mais cuidadosa e defensiva da nossa parte.
A par de cumprir com as medidas que o Governo deve já ter anunciado nesta quinta-feira, 25, devemos todos não esquecer de utilizar máscara, evitar grandes aglomerados, continuar a desinfetar as mãos com regularidade ou testar sempre que houver sinais de eventual infeção. Ou seja, ações simples que todos podemos fazer no dia-a-dia, colaborando desta forma para que os números da Covid-19 não aumentem muito mais.
Se queremos que a vida volte à normalidade, não nos podemos comportar como se nada estivesse a acontecer à nossa volta. Sem alarmismos, mas também sem facilitismos! Com responsabilidade e cuidado tudo se tornará mais fácil. Caso contrário…



Outros artigos de Carlos Pinto

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - sexta, 20/05/2022
Sporting e Benfica
na final da Taça de
futsal em Sines
As equipas de futsal do Sporting e do Benfica vão disputar no sábado, 21, pelas 20h00, a final da Taça de Portugal, que terá por "palco" o Pavilhão Multiusos de Sines.
07h00 - sexta, 20/05/2022
Odemira recebe Torneio
Regional de natação
no fim-de-semana
A Piscina Municipal de Odemira recebe neste fim-de-semana, 21 e 22 de maio, o Torneio Regional de Fundo e Nadador Completo, numa organização da Associação de Natação do Alentejo, em parceria com a Câmara Municipal.
07h00 - sexta, 20/05/2022
Portugal negoceia com
Alemanha e Polónia distribuição
de gás a partir de Sines
Portugal está a negociar com a Alemanha e com a Polónia a possibilidade de distribuição de gás natural a partir do Porto de Sines, adianta a edição desta sexta-feira, 20, do jornal diário "Público".
07h00 - sexta, 20/05/2022
Grandes incêndios preocupam bombeiros no concelho de Odemira
A possibilidade de terem de acorrer a um grande incêndio na área florestal do município, associada à escassez de água, é a maior preocupação dos comandantes das duas corporações de bombeiros voluntários do concelho de Odemira no arranque do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR) para 2022.
07h00 - quinta, 19/05/2022
Alunos da ESEL
estagiam em
Santiago do Cacém
Um grupo de seis alunos da Escola Superior de Educação de Lisboa (ESEL) vão estar, até dia 3 de junho, em Santiago do Cacém, a realizar trabalhos nas áreas da Cultura, elaborando recolhas de memórias e estudos de peças.

Data: 20/05/2022
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial