16h59 - quinta, 16/06/2022

Viva a comunicação social livre


Fernando Almeida
Tenho dito e repetido mil vezes que a informação que nos chega pelos grandes meios de comunicação social anda manipulada, é parcial, nos esconde muitas verdades e que replica até à exaustão muitas mentiras. E, como tenho dito e repetido mil vezes, tudo isto sem uma censura formal, e dando-nos a nós, pessoas comuns, a ideia que a informação que nos chega é isenta imparcial e verdadeira.
Quando necessário, calam a notícia para que os assuntos indesejáveis passem despercebidos. Ainda não há muito tempo corria a polémica da atribuição da rede 5G. Diziam os entendidos que a proposta chinesa da Huawei era a mais vantajosa do ponto de vista financeiro e tecnológico. Entretanto, um figurão da administração americana veio à Europa e "mandou" os governos desta sua "colónia" recusar a proposta da Huawei e aceitar a proposta da empresa americana Manevir. A comunicação social inesperadamente silenciou o assunto e pela calada o governo atribuiu a rede 5G à empresa americana. Calam-se quando querem que nós não saibamos de algumas coisas, como a atribuição da rede 5G, a guerra do Iémen e tantos outros temas desconfortáveis para os poderes do Ocidente, mas dão antena e ligam os megafones para as mentiras que lhes interessa propagar.
Um texto que li recentemente de Miguel Szymanski, jornalista que trabalhou em vários órgãos de comunicação social em Portugal e na Alemanha, dá conta da forma como a comunicação é controlada e, portanto, de como o nosso próprio pensamento é controlado. Diz ele:
"Fui dispensado de vários jornais por me recusar a fazer fretes. Na revista 'Sábado' o director, na altura, hoje já reformado do jornalismo, veio ter comigo e disse 'lamento mas és persona non grata junto da administração'. O empresário André Jordan tinha-se queixado de uma entrevista que lhe fiz e que nunca foi publicada. No grupo do 'Diário Económico' foi Ricardo Espírito Santo Salgado quem se queixou que eu o retratara 'como se fosse um gatuno' e ameaçou retirar publicidade do grupo. 'Não te posso dar mais trabalhos para escrever, lamento, ordens superiores', disse-me o director do jornal. Na revista 'GQ' (onde publicava crónicas) as queixas vieram numa carta de Jardim Gonçalves. No último artigo que escrevi para o 'Expresso' (o contrato como colaborador nunca foi rescindido) critiquei Sócrates quando ainda era primeiro-ministro. Recusei pedidos de artigos para a revista 'Up' da TAP (sobre a EDP) porque eram fretes. A minha mulher foi despedida da Cofina por se recusar a escrever 'publireportagens', textos publicitários mascarados de jornalismo. A directora da revista exigia-o, ela insistiu em recusar-se e o director de recursos humanos, genro do patrão da Cofina, disse-lhe 'o salário ao fim do mês também não vem com código deontológico'. Despediram-na. Por causa disso a minha mulher e eu tivemos de sair de Portugal e de ir trabalhar para a Alemanha. Fomos de carro, ambos desempregados, com meia dúzia de malas na bagageira e duas crianças no banco de trás. Não foi fácil. Ser jornalista não é fácil."
Percebe-se que os jornalistas são pessoas como todos nós, têm o empréstimo da casa para pagar e os filhos para criar e, como todos nós, precisam de viver. Por isso, como todos nós muitas vezes acabam por ceder às pressões das administrações das empresas em que trabalham e condicionar o que escrevem ou dizem em função daquilo que interessa a quem lhes paga.
Mas o controlo da informação que os grandes órgãos de comunicação social nos dão passa também pela escolha dos comentadores e cronistas. Comentador que se atreva a dizer o que não querem que seja dito, a analisar de forma diferente da que é preconizada pela "linha editorial" do órgão, terá os dias contados como colaborador. E assim nos metem pela casa dentro as imagens e as opiniões que querem que sejam difundidas, nos bombardeiam com as suas "verdades" quando ouvimos rádio em viagem, ou nos oferecem páginas de crónicas sempre com a mesma tendência nos jornais e revistas. E assim nós, cidadãos comuns, ficamos com uma imagem do mundo muitas vezes completamente deturpada. A alternativa da busca de informação fiável na Internet também é insegura, porque circulam mentiras para todos os gostos nas redes sociais e em páginas criadas a propósito para difundir informações falsas.
Resta pouco a quem quer verdadeiramente conhecer e compreender o mundo. Por vezes, uma viagem de um amigo que conta o que viu num país distante e que nos é por aqui denegrido por campanhas de décadas de desinformação e propaganda. A comunicação social estatal está também ela refém do poder, por vezes com mais alguma liberdade para opiniões plurais, mas sempre condicionada a agradar a quem manda. E sobra-nos a pouca comunicação social livre e independente, como acontece com as publicações locais e regionais que ainda não foram compradas pelos grandes grupos económicos que tudo dominam. Como no tempo da censura, resta-nos também a inteligência para descortinar o que faz e o que simplesmente não faz sentido, e que portanto não pode ser verdade. Não se esqueçam que sem informação livre e plural não temos verdadeira liberdade e teremos sempre uma democracia manca.
Que vivam os jornalistas que ainda lutam por uma informação isenta e verdadeira, e que vivam os jornais e as rádios que ainda não se venderam aos diversos poderes e lhes dão trabalho.



Outros artigos de Fernando Almeida

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - sexta, 24/06/2022
AdSA tem
novo centro de
atendimento
A empresa Águas de Santo André (AdSA), com sede em Vila Nova de Santo André (Santiago do Cacém), acaba de lançar um novo serviço de atendimento aos clientes, a funcionar em permanência 24 horas por dia.
07h00 - sexta, 24/06/2022
Nova central solar vai
ser construída em Sines
Uma central fotovoltaica, com capacidade para mais de 91 mil painéis solares e uma potência de 49 megawatts, vai ser instalada no concelho de Sines, numa área de 100 hectares.
11h00 - quinta, 23/06/2022
Feira PIMEL
de regresso em
Alcácer do Sal
Música, gastronomia e atividades equestres compõem o 'cartaz' deste ano da PIMEL – Feira de Turismo e das Atividades Económicas de Alcácer do Sal, que decorre a partir desta quinta-feira, 23, no "espaço renovado" do Parque Urbano da cidade.
07h00 - quinta, 23/06/2022
Detido por
tráfico de droga
em Milfontes
Um homem de 27 anos foi detido, no domingo, 19, pela GNR por suspeitas da prática do crime de tráfico de estupefacientes em Vila Nova de Milfontes, no concelho de Odemira.
07h00 - quinta, 23/06/2022
Produção de arroz cai
20% no Vale do Sado
O presidente do Agrupamento de Produtores de Arroz do Vale do Sado (APARROZ), com sede em Alcácer do Sal, estima uma quebra de 20% na produção de arroz na região em relação à campanha de 2021, com uma redução da área de cultivo na ordem dos 1.

Data: 17/06/2022
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial