16h35 - quinta, 13/10/2022

O estado a que o Estado chegou


Carlos Pinto
Uma edição recente do semanário "Expresso", publicada em setembro, apresentou um retrato exaustivo daquilo que apelidou de "administração pública obsoleta". Um quadro com que todos nos deparamos diariamente e que, no fundo, demonstra "um Estado a cair aos bocados". As parangonas não são excessivas, até porque ao longo da reportagem em questão foram apresentados diversos casos de serviços públicos com salas sem luz natural nem ventilação, paredes com infiltrações e mofo, tetos e elevadores que já caíram, ou a existência de baratas, ratos e outros bichos que mordem nos funcionários.
De acordo com o mesmo texto, nas Finanças de um concelho do Alentejo com quase cinco mil habitantes há apenas dois funcionários a trabalhar, ambos com mais de 60 anos. E em muitos serviços, da Justiça à Segurança Social, há computadores com mais de 15 anos de uso, que "não aguentam" tarefas simples e têm "velocidades de Internet verdadeiramente jurássicas".
No distrito de Beja são também alguns os exemplos desta triste realidade, nomeadamente o edifício onde outrora funcionou o Governo Civil e que acolhe serviços como a PSP, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras ou o Instituto da Mobilidade e dos Transportes. Também no Alentejo Litoral são vários os casos conhecidos de serviços públicos sem o mínimo de condições para funcionar, seja no plano das infraestruturas, seja no que diz respeito aos recursos humanos disponíveis.
Ora tudo isto é verdadeiramente intolerável e uma vergonha para o Estado (que, no fundo, somos todos nós). Se queremos uma administração pública competente e eficiente, célere na resolução dos problemas e capaz de dar resposta às solicitações, também temos de dotar os seus serviços de condições básicas para o seu bom funcionamento. Caso contrário, não se podem esperar milagres nem estranhar o mau atendimento de alguns funcionários.



COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - segunda, 30/01/2023
Homem detido
em São Teotónio com
64 doses de heroína
A GNR deteve, na quinta-feira, 26, um homem de 29 anos por suspeitas da prática do crime de tráfico de estupefacientes na localidade de São Teotónio, no concelho de Odemira.
18h04 - sexta, 27/01/2023
Dois detidos em Grândola
após perseguição na A2
A GNR apreendeu cerca de 33 quilos de haxixe e deteve dois homens em Grândola, na quinta-feira, 26, à noite, após uma perseguição a uma viatura que circulava na Autoestrada do Sul (A2).
07h00 - sexta, 27/01/2023
Odemira recebe
mais de 40 eventos
desportivos em 2023
São mais de 40 os eventos desportivos, em várias modalidades, que o concelho de Odemira vai receber ao longo deste ano de 2023, promovidos pela Câmara Municipal ou em parceria com clubes e entidades regionais, a par das competições regulares das modalidades federadas.
07h00 - sexta, 27/01/2023
Técnicos de turismo
do Alentejo e Ribatejo
reúnem em Odemira
Dar a conhecer o território de Odemira, assim como "promover o contacto e partilha de experiências e boas práticas", é o objetivo do Encontro Anual de Técnicos de Turismo do Alentejo e Ribatejo, que se realiza a partir desta sexta-feira, 27, em Odemira.
07h00 - sexta, 27/01/2023
Autarca de Odemira pede "reforço" dos serviços públicos no concelho
O presidente da Câmara de Odemira, Hélder Guerreiro, espera que o Governo possa avançar com um reforço de pessoal nos serviços públicos existentes no concelho, onde diz faltarem "cerca de 38" funcionários em várias áreas de atuação, das Finanças aos Registos e Notariado.

Data: 27/01/2023
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial