12h39 - quinta, 28/09/2023

Será a cura pior que a doença?


Carlos Pinto
Que a inflação anda "pela hora da morte" todos o sabemos. Aliás, todos o sentimos, dia após dia, na carteira, seja nas idas ao supermercado, na hora de abastecer o depósito do carro ou sempre que se consulta o extrato bancário para verificar quanto foi a prestação do crédito à habitação nesse mês. O aumento do custo de vida tem sido vertiginoso nos últimos dois anos e, para desespero de muitos, não parece ter fim à vista.
Por isso, e para controlar a inflação, o Banco Central Europeu tem apostado numa política de aumento das taxas de juro, para controlar a subida da inflação e manter os preços estáveis. Uma opção dolorosa para cidadãos e empresas, mas que deverá manter-se por mais algum tempo (previsivelmente até 2025), segundo a presidente da instituição.
"A nossa missão, o nosso dever, é fazer com que a inflação regresse rapidamente ao nível que definimos [2%]", assumiu esta semana Christine Lagarde, para logo acrescentar: "Quanto mais depressa lá chegarmos, mais estáveis os preços vão ser e menos doloroso será o caminho que teremos pela frente, tanto para aqueles que investem, como para quem se endividou [junto do banco]".
A presidente do BCE afirmou ainda que as taxas de juro "serão fixadas em níveis suficientemente restritivos durante o tempo que for necessário", deixando igualmente um apelo aos governos europeus: "As políticas orçamentais devem ser concebidas para tornar a economia da área do euro mais produtiva e para reduzir gradualmente a elevada dívida pública".
Que quer tudo isto dizer? Que as dificuldades estão para continuar enquanto durar a inflação, o que implicará taxas de juro elevadas para controlar o consumo e reduzir preços.
Na teoria da Economia, tudo isto pode estar correto e ser o mais acertado a fazer. Mas em termos práticos, para quem vive no dia-a-dia a contar os euros de que necessita para pagar as contas do mês, a sensação é de garrote à medida que o tempo passa. Como diz o ditado, podemos estar "a matar o doente com a cura" e, no caso português, a regredir décadas em matéria de desenvolvimento social. Se assim for, a inflação poderá ser o menor dos nossos problemas.



COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - quarta, 19/06/2024
Dia do Porto de
Sines com atividades
para a comunidade
O Porto de Sines vai estar de portas abertas nesta quarta-feira, 19, com um programa que inclui passeios marítimos, visita ao Laboratório de Ciências do Mar, batismos de stand up paddle, mergulho e street basket.
07h00 - quarta, 19/06/2024
Operação de
esterilização de gatos
errantes em Grândola
A equipa do Gabinete de Veterinária da Câmara de Grândola capturou, esterilizou e libertou 159 gatos errantes no concelho, na semana passada, tendo ainda recolhido 32 gatinhos que estão disponíveis para adoção.
07h00 - quarta, 19/06/2024
IPBeja com candidaturas abertas
para três CTeSP em Odemira
O Instituto Politécnico de Beja (IPBeja) tem aberta, até 19 de julho, a primeira fase de candidaturas para os três cursos técnicos superiores profissionais (CTeSP) que vai dinamizar em Odemira no próximo ano letivo de 2024-2025.
07h00 - terça, 18/06/2024
FlixBus retoma
ligações de passageiros
ao Litoral Alentejano
A empresa de transporte rodoviário de passageiros FlixBus já retomou as suas loigações regulares aos concelhos do Alentejo Litoral, devido ao arranque do período de férias e por perspetivar um verão "bastante forte" em termos de procura de viagens para este destino.
07h00 - terça, 18/06/2024
'Layoff' na Indorama
em Sines renovado
por mais seis meses
O Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente do Sul (SITE-Sul) está preocupado com a situação dos trabalhadores da fábrica de Sines da Indorama Ventures, que renovou o layoff por mais seis meses.

Data: 14/06/2024
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial