15h21 - quinta, 28/02/2019

O cigarro bom, o cigarro mau e o coração?!


Cláudia Silva
Os efeitos nocivos do tabaco convencional na Saúde são sobejamente conhecidos, principalmente no que se refere ao sistema cardiovasculares – o coração.
O tabaco convencional é responsável por 30% de todas as mortes, sendo o fator de risco que, isoladamente, mais contribui para a mortalidade cardiovascular – o cigarro mau.
O fumo mata, seja inalado de forma ativa ou passiva, contudo, ainda assim se mantêm como um problema de saúde real. Em virtude desta evidência, a indústria começou a desenvolver produtos alternativos, tendo surgido o cigarro eletrónico e, mais recentemente, o cigarro aquecido. Este último é tido como menos nocivo – o cigarro bom – em que não há combustão, pois apenas aquece. Sendo um produto recente, os seus riscos e toxicidade poderão ainda não ser devidamente conhecidos e/ou difundidos.
Um estudo realizado em 2017 pelo Instituto Nacional de Saúde Pública do Japão avaliou os vários compostos nocivos existentes no fumo e enchimento de um cigarro aquecido (nicotina, alcatrão, monóxido de carbono e nitrosaminas específicas do tabaco) e comparou-os com as concentrações do cigarro de combustão convencional. Concluiu-se que as concentrações de nicotina eram quase as mesmas dos cigarros de combustão convencionais, enquanto a concentração de nitrosaminas era um quinto e o monóxido de carbono era um centésimo dos cigarros de combustão convencionais.
De facto as concentrações são inferiores, mas também é um facto que estes compostos tóxicos não foram completamente removidos do fumo do cigarro aquecido, pelo que será necessário considerar os efeitos sobre a saúde da população.
Por cá, a nossa legislação parece acompanhar a evidência científica, já que desde 1 de janeiro de 2018 que não é permitido utilizar o cigarro aquecido em espaços fechados, evitando assim a inalação passiva. O conceito de fumar passou a abranger os novos produtos do tabaco sem combustão que produzam aerossóis, vapores, gases ou partículas inaláveis.
O fato é que nesta história não existe um cigarro "bom" ou um cigarro "mau", existem apenas pessoas, cuja saúde – em particular, o coração – é gravemente afetada pelo consumo de tabaco, seja o convencional, eletrónico ou aquecido!
O tabaco continua a ser um fator de risco importante para a doença cardíaca, pelo que é determinante que as organizações de saúde continuem a desenvolver medidas de sensibilização para o seu controlo e/ou eliminação!

A autora utiliza o novo
Acordo Ortográfico



Outros artigos de Cláudia Silva

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - sexta, 17/05/2019
Câmara de Santiago
tem novo camião
A Câmara Municipal de Santiago do Cacém adquiriu um novo camião de carga de 26 toneladas, com caixa basculante, num investimento avaliado em cerca de 143 mil euros.
07h00 - sexta, 17/05/2019
Parceria junta Benfica a
Vasco da Gama de Sines
O Vasco da Gama de Sines assinou nesta quinta-feira, 16 de Maio, no Caixa Futebol Campus, um protocolo de parceria com o Sport Lisboa e Benfica na área do futebol de formação.
07h00 - sexta, 17/05/2019
Governante de Timor
visitou Porto de Sines
O ministro dos Transportes e Comunicações de Timor-Leste, José Agustinho da Silva, visitou nesta semana o Porto de Sines, no sentido de "conhecer o funcionamento e as potencialidades desta infra-estrutura portuária".
07h00 - quinta, 16/05/2019
Câmara de Sines
ocupa jovens no Verão
A Câmara de Sines vai voltar a promover em 2019 mais uma edição do "Mãos à Obra", programa ocupacional de Verão para jovens dos 15 aos 25 anos, que vai decorrer durante o próximo mês de Julho.
07h00 - quinta, 16/05/2019
Regadio no Mira com
taxa de utilização de 60%
Meio século após a construção da barragem de Santa Clara, estão a ser utilizados 60% dos cerca de 12 mil hectares abrangidos pelo Aproveitamento Hidroagrícola do Mira (AHM).

Data: 10/05/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial