15h36 - quinta, 13/12/2018

O coração tem idade?


Cláudia Silva
O povo costuma dizer "mente sã, corpo são" e é na verdade uma das maiores verdades populares corroborada pela ciência. Sendo o coração um dos órgãos mais importantes – ou não fosse designado por "órgão nobre" – penso que se o provérbio popular fosse adaptado para "coração são, corpo são", não estaríamos a incorrer com nenhuma falácia.
Habitualmente diz-se que nunca é tarde demais e eu acrescentaria que também que nunca é cedo de mais! Prevenir a doença cardíaca significa fazer as escolhas inteligentes hoje que irão compensar o resto da sua vida! Os estilos de vida saudáveis têm sido sobejamente divulgados. Contudo há sempre quem tenha conhecimento, mas na verdade ainda não interiorizou – ou que talvez ache que só acontece aos outros! Neste sentido, a divulgação e promoção de estilos de vida saudáveis é uma questão intemporal.
A atividade física e uma dieta saudável são as principais medidas-chave. Ao limitar a ingestão de produtos açucarados e carnes vermelhas, optar por produtos com baixo teor de gorduras (saturadas e trans) e sódio, e ingerir frutas, vegetais, peixe, alimentos integrais ricos em fibra, frutos secos e sementes, pode diminuir o risco de doença coronária. Esta prevenção é reforçada quando associada com a atividade física aeróbica regular, complementada com fortalecimento muscular.
Para além destas medidas gerais que são transversais a todas as gerações, a American Heart Association recomenda algumas medidas direcionadas para cada faixa etária:

Aos 20: Seja ativo fisicamente desde jovem e será mais fácil manter uma rotina ao longo da vida. Não fume, ativa ou passivamente, pois os malefícios do tabaco não atingem apenas os fumadores. Lembre-se que pessoas saudáveis também necessitam de vigilância; procure os recursos de saúde da comunidade e vigie a sua pressão arterial (PA), colesterol, frequência cardíaca (Fc), glicémia e peso.

Aos 30: As responsabilidades profissionais e familiares tendem a sobrepor-se aos cuidados de saúde dos próprios. Crie e mantenha rotinas saudáveis com os seus filhos, assim irá repeti-los e eles também! Todas as atividades que o tirem do sofá contam; caminhadas, passear o cão ou confeção de refeições saudáveis. Evite as situações de stress, pois de forma prolongada pode provocar aumento na Fc e PA e, em consequência, danificar as paredes das artérias.

Aos 40: Se até aqui não teve cuidado com a saúde do seu coração, nunca é tarde! Pense nos hábitos saudáveis que não realiza e porquê; defina uma estratégia para a mudança. Nesta altura o nosso metabolismo tende a desacelerar, pelo que o aumento de peso acontecerá com mais facilidade. Encontre um equilíbrio entre a alimentação e a atividade física; o importante é que seja algo que o motive e não uma obrigação. Peça ao seu companheiro que avalie se ressona; estima-se que um em cada cinco adultos apresentam pelo menos apneia (pausas respiratórias) leve do sono; se não tratada adequadamente pode contribuir para o aumento da Fc e doença cardíaca.

Aos 50: Nesta década são necessários cuidados acrescidos, pois o impacto que o envelhecimento pode ter tido no seu coração, associadas às decisões que tomou ao longo da sua vida, não se veem "de fora"! Seja mais rigoroso nos seus hábitos alimentares; analise-os e substitua os alimentos ricos em gordura e açucares por outros mais saudáveis. Conheça os sinais de alerta para o enfarte; para além da clássica dor no peito e braço esquerdo, o cansaço súbito ou sensação de dispneia podem ser igualmente sinais promontórios.

Aos 60 ou mais: Nesta idade o risco de doença cardíaca é superior, pois a PA e todos os parâmetros relacionados com o coração tendem a aumentar; será necessária uma vigilância mais rigorosa dos mesmos. Tenha especial atenção ao peso, pois necessitará de ingerir menor quantidade calórica diariamente; o excesso de peso exigirá um maior esforço por parte do coração, aumentando o risco de desenvolvimento de doença cardíaca.

Independentemente da sua idade do seu coração, vai sempre a tempo de começar a cuidar do seu coração, do seu corpo. Procure informação junto do seu enfermeiro e médico, aconselhe-se, envolva-se, defina metas e construa o seu projeto de saúde!

A autora utiliza o novo
Acordo Ortográfico



Outros artigos de Cláudia Silva

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - sexta, 20/09/2019
Melhor polvo do mundo
"à prova" na Zambujeira
A Zambujeira do Mar (Odemira) recebe entre esta sexta-feira e domingo, dias 20 a 22, o VII Festival do Polvo, iniciativa da Associação Cultural Recreativa e Desportiva Zambujeirense que visa "promover a qualidade e as potencialidades gastronómicas do polvo do Sudoeste".
07h00 - sexta, 20/09/2019
Canoístas de Milfontes
"brilham" na Selecção
Três canoístas do Clube Náutico do Litoral Alentejano (CNLA), de Vila Nova de Milfontes, estiveram em excelente plano durante a sua participação em duas provas internacionais ao serviço da Selecção Nacional, com destaque para a jovem Maria Fonseca Santos, que regressou a casa com uma medalha de bronze.
07h00 - sexta, 20/09/2019
Campanha das Legislativas
no concelho de Odemira
A campanha para as eleições Legislativas de 6 de Outubro está na rua e os candidatos pelo distrito de Beja das principais forças políticas vão passar nas próximas semanas pelo concelho de Odemira, com diversas acções de rua e de contacto com cidadãos e instituições locais.
07h00 - sexta, 20/09/2019
Incêndio destruiu 195 hectares de floresta em S. Luís
Cerca de 195 hectares de mato e floresta destruídos, perto de meio milhar de árvores queimadas e mais de quatro dezenas de animais mortos: é este o balanço, ainda provisório, do grande incêndio que na passada semana lavrou na zona da Cova da Zorra, na freguesia de São Luís (Odemira).
07h00 - sexta, 20/09/2019
Presidente da JF São Luís
defende mais sensibilização
Na opinião de Fernando Parreira, o incêndio da passada semana veio comprovar que ainda há trabalho a fazer na freguesia (e não só), por forma a evitar um novo incêndio com tamanhas proporções.

Data: 20/09/2019
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial